priorização CAPEX

Quais os principais critérios de priorização CAPEX?

Muitas empresas planejam e controlam as despesas de capital (CAPEX) por meio de um processo de priorização de projetos de investimento. No processo, um comitê formado por gestores da empresa analisa, avalia e prioriza as solicitações de financiamento para projetos e outras iniciativas de capital da companhia.

Para isso, em um primeiro momento, o comitê define o orçamento de capital da organização para o período vigente. Como é natural, este orçamento é limitado, o que significa que nem todas as iniciativas poderão ser financiadas pela empresa. Com o limite imposto pelo orçamento disponível, as propostas devem competir entre si para que aquelas com maior prioridade sejam as primeiras realizadas.

Esta “competição” acontece por meio da análise de alguns critérios-chave, que darão ao comitê a resposta sobre quais são os projetos de maior importância e que poderão dar os melhores retornos para a empresa. Mas quais são esses critérios?

Neste artigo abordaremos os principais critérios de priorização de projetos de investimento, ou CAPEX, utilizados por empresas com processos de gestão de investimento estruturados, ou maduros.  

Priorização CAPEX: quais critérios podem ser utilizados?

O objetivo da prática de priorização CAPEX é apoiar a alta administração da empresa a definir o portfólio de projetos que serão executados no próximo período. Essa priorização pode ser feita para o portfólio como um todo ou para determinadas categorias dentro do portfólio.

Em suma, a priorização CAPEX permite aos gestores presentes no comitê responder às seguintes perguntas:

  • Em quais iniciativas a empresa deve investir?
  • Quais são as iniciativas mais importantes?
  • Quais iniciativas devem ter recursos acima de todas as outras iniciativas?

Essas perguntas só podem ser respondidas quando todas as iniciativas forem classificadas de acordo com os critérios definidos pela organização.

Existem muitos critérios que podem ser utilizados. Estes serão agrupados em três categorias, que são:

1. O retorno ou atratividade das iniciativas

Em primeiro lugar, as iniciativas podem ser avaliadas quanto ao retorno financeiro esperado no médio a longo prazo. Este retorno pode ser gerado na forma de maiores lucros ou na economia de custos operacionais. 

Abaixo, estão alguns exemplos de critérios desta categoria:

  • Qual o valor presente líquido do projeto (VPL)?
  • Qual sua taxa interna de retorno (TIR)?
  • Qual o prazo de recuperação do investimento (payback)?
  • Qual sua relação custo x benefício?
  • Qual o retorno sobre o investimento (ROI)?

2. O risco ou a viabilidade das iniciativas

Neste grupo, avalia-se o nível de risco a que a iniciativa pode expor a organização e quão viável é a execução da mesma. Os critérios deste grupo permitem entender se a empresa terá os recursos necessários para conduzir o projeto até o final e o quanto o uso desses recursos poderá comprometer as operações normais de negócio. 

Alguns exemplos de critérios neste grupo incluem:

  • Qual o prazo previsto para execução do projeto?
  • O prazo é compatível com os objetivos da organização?
  • Qual o nível de complexidade do projeto?
  • A organização possui o conhecimento técnico necessário para executá-lo?
  • Qual a probabilidade de o projeto ser bem-sucedido?
  • Caso a iniciativa esteja ligada ao lançamento de novos produtos, qual a probabilidade de adoção do mercado?
  • Qual o nível de risco que a iniciativa pode expor a organização?

3. Aderência estratégica das iniciativas

No último grupo, temos os critérios que permitem avaliar o escopo dos projetos e entender a aderência estratégica das iniciativas, ou seja, o quão bem adequadas elas estão aos objetivos de negócios da empresa. Aqui, também são avaliados possíveis impulsionadores da iniciativa que podem torná-la crucial para a organização, tais como mudanças legais ou regulatórias, ou patrocínio de stakeholders estratégicos.

Para isso, os critérios de avaliação podem incluir:

  • Qual a contribuição estratégica do projeto?
  • O projeto está ligado a alguma meta de negócio específica?
  • A iniciativa aborda uma área de baixo desempenho?
  • Quem são os stakeholders e qual o seu nível de compromisso?
  • A iniciativa cumpre com um requisito legislativo?
  • A iniciativa melhora a eficiência geral?
  • O projeto honra uma obrigação contratual existente?

Como definir quais critérios utilizar na priorização CAPEX?

A escolha pelo grupo ou grupos de critérios adequados dependerá dos objetivos de negócios de cada organização. Essas métricas podem ser uma medida monetária, uma medida percentual, uma medida de tempo, uma classificação ou uma faixa classificatória.

As organizações podem tanto realizar avaliações que levam em conta apenas um critério ou vários critérios de priorização CAPEX. 

Usar um único critério para priorizar iniciativas fornecerá um método simples e respostas rápidas, mas tem suas desvantagens. Suponha que você use o retorno financeiro — seu uso será limitado se você tiver iniciativas que não terão benefícios financeiros imediatos, mas que, por outro lado, podem aumentar a satisfação do cliente.

A análise com vários critérios, por outro lado, oferece a possibilidade de priorizar um grupo de iniciativas com base em um conjunto de critérios ponderados. Para isso, o comitê de priorização deverá:

  1. Selecionar os critérios;
  2. Desenvolver os pesos correspondentes de cada critério;
  3. Definir um sistema de classificação
  4. Classificar cada iniciativa usando as classificações e ponderações identificadas
  5. Agrupar todos as informações e realizar uma análise final.

Dicas para uma priorização CAPEX bem-sucedida

  • Adapte os critérios de priorização. O modelo descrito nos parágrafos anteriores precisa ser adaptado. Se você dividir seu portfólio em segmentos diferentes, cada segmento pode ter seu próprio modelo de pontuação de priorização com seus próprios critérios. Certifique-se de que cada modelo tenha critérios sob cada um dos grupos descritos acima;
  • Use avaliações baseadas em evidências. Ao preencher o modelo de pontuação de priorização de portfólio para cada iniciativa, certifique-se de que suas classificações sejam suportadas por evidências. Se os dados não estiverem disponíveis, comece a coletar informações para uso futuro. Garanta que todos os dados tenham datas e prazos;
  • Seja criativo ao apresentar as descobertas. As apresentações gráficas podem ser muito úteis para apresentar as mensagens principais de maneira clara e concisa e ganhar o ok da alta administração da empresa;
  • Utilize a tecnologia a seu favor. Algumas soluções como o Teams Ideas, especialistas em gestão de portfólio de investimento podem automatizar o processo de priorização CAPEX e reduzir o esforço necessário para classificar os projetos, avaliar e selecionar aqueles que serão executados.

Realizar a priorização de iniciativas pode ser um desafios. Mas, com as dicas acima, o processo ficará mais fácil e os resultados serão mais assertivos.

Conheça a experiência de seleção e priorização do portfólio de investimentos da CBA (Companhia Brasileira de Alumínio) e da ArcelorMittal Tubarão, utilizando o Teams Ideas para Gestão de Investimento